BIKELOKO

Dicas para Pedalar no Frio

Para quem gosta de pedalar, a época de frio, principalmente o inverno, pode ser desestimulante. O frio cortante, a umidade, a poluição ambiental, principalmente nas grandes cidades, são fatores que leva qualquer praticante de ciclismo, seja ele iniciante ou experiente, a pensar duas vezes antes de pegar a bike e sair de casa.

Logicamente que a resistência ao frio depende muito de cada pessoa, e a própria temperatura considerada “baixa” para a pedalada também depende de cada cidade. As pessoas acostumadas a temperaturas mais baixas, como na região sul, conseguem pedalar sem problemas em temperaturas que moradores da região nordeste ou sudeste já achem “inapropriadas”.

Ainda assim, qualquer temperatura abaixo dos 20 graus já deve ser levada em consideração para o reforço contra o frio na prática de qualquer exercício físico, ainda mais no ciclismo, onde o contato com o ar em velocidade e até o tempo da atividade conta muito.

Ciclista no frioSendo assim, o mais importante para conseguir fazer uma boa pedalada, e não deixar de praticar durante os períodos gélidos da sua cidade, é ficar de olho nas roupas que você irá usar durante a atividade.

Roupas certas para o frio

Muita gente acha que na hora de praticar exercícios físicos em épocas de frio, deve-se vestir roupas pesadas, e que protegem do frio, como os grandes moletons ou camisas de algodão, e aí começa o erro.

Esse tipo de vestimenta, além de atrapalhar na hora do exercício, também retém o suor do corpo, ficando úmidas e dando uma sensação horrível para o corpo, podendo, inclusive, causar assaduras no contato da pele com o tecido.

Por isso, o melhor a se fazer não é investir em peças únicas e pesadas, mas sim em várias peças leves e térmicas, que não fiquem úmidas, e que no caso de você sentir calor em determinado momento, possa tirar algumas peças, é o chamado “efeito cebola”, onde são vestidas várias camadas de roupas.

ciclista no frioPara começar, deve-se usar uma camisa dry fit, chamada de “segunda pele”. Essas peças dry fit são ótimas para quem pratica exercícios físicos e que transpiram bastante, pois elas ajudam a expelir o suor e a manter o corpo seco e confortável, sem incomodar com a umidade.

Como camada intermediária, e tendo sempre que estar presente para quem faz qualquer tipo de atividade ao ar livre ou “outdoor” em tempos frios, o agasalho tipo fleece é usado por alpinistas, montanhista, ciclistas e não pode faltar na vestimenta, já que o fleece também é um material que atua como isolamento artificial do corpo.

Por último, e não menos importante, todo praticante de atividade em situações de baixas temperaturas e muito vento, deve usar uma jaqueta corta-vento, que além de ajudar a manter a temperatura corporal, protege a região torácica do frio, evitando problemas respiratórios futuros.

E agora, tudo certo? Na região do tronco sim, mas agora é hora de ver as dicas para proteger as outras partes do corpo.

A cabeça e o pescoço são duas regiões importantíssimas de que não podem ser esquecidas na hora de se proteger do frio. Para o pescoço, o interessante é usar lenços ou cachecol térmico para proteger e evitar problemas respiratórios, além de serem indicados peças mais longas, que possam ser puxadas para proteger o nariz e a boca também.

Falando nisso, é ideal que o ciclista tenha protetores labiais hidratantes sempre com ele, para evitar a desidratação causada pelo vento, além de colírios olhos e soros nasais para evitar o ressecamento dos olhos e nariz.

ciclista no frioAinda na região da cabeça, é importante o uso de gorros, blacavas ou bandanas por baixo do capacete para proteger do frio, já que perdemos muito calor e de forma rápida pela cabeça. Quanto as orelhas, elas podem ser protegidas pelos próprios protetores de cabeça, ou ainda podem ser usados protetores de orelhas próprios e algodão para quem tem problemas de ouvido.

Por fim, na parte das pernas, o ideal é usar uma calça segunda pele, que ajuda a manter a temperatura e ajude a expelir o suor, além de um short próprio para ciclismo por cima.

Para quem não curte a ideal da calça dry fit, pode-se usar os “pernitos”, um tipo de proteção que se usa para proteger as partes da perna abaixo do shot, e que são preferidos pelos ciclistas pela facilidade em tirar quando houver aumento da temperatura.

ciclista no frioMuitos também usam “manguitos” por essa mesma facilidade, deixando as camisas de manga longa de lado. Para proteger as mãos, é necessário usar luvas de dedo longo, mas não muito grossas para não atrapalhar a frenagem e a mudança de marcha, além de luva térmica por baixo.

Aquecendo e desaquecendo

Em tempos de baixas temperaturas, a possibilidade de lesões aumenta, principalmente para aqueles que não melhoram seu aquecimento, achando que é a mesma coisa de se aquecer em temperaturas ambientes.

AquecimentoNesses tempos de frio, é importante que se aumente o tempo de aquecimento, começando em marchas menos pesadas, em ritmo mais leve e durante 10 a 15 minutos.

Logo depois é interessante fazer um aquecimento cárdio, com 30 segundos de pedalada com marcha intensa intercalados com dois minutos de pedalada em ritmo normal com marcha leve, também de 10 a 15 minutos nesse tipo de aquecimento.

No momento final do exercício, “desaquecer” também é importante, não sendo recomendado que o ciclista pare de uma vez o exercício em ritmo rápido. O interessante é também ir desacelerando, com ritmo mais lento e marchas mais leves, 15 a 20 minutos antes do momento da parada.

Alimentação, hidratação e bike

Quando fazemos exercícios em temperaturas baixas, costumamos não sentir tanta sede e assim, bebemos menos água. Isso é algo bastante importante e que todo ciclista deve ficar de olho. Deixar de se hidratar pode causar problemas, como queda de rendimento e até desmaios durante a prática do exercício.

Ciclista HidratandoPortanto, você deve ficar de olho para não passar muito tempo sem beber água, sendo recomendado que tome 150 a 200 ml a cada vinte minutos, e se a pedalada for acima de 1 hora, fazer a hidratação com gel de carboidrato misturado na água ou com repositor hidroeletrolítico. Evitando assim a perda de sais minerais, desidratação e a falta de energia.

Já quanto à alimentação, em tempos frios nosso corpo acaba trabalhando para manter a temperatura, e assim gasta mais energia que tem que ser reposta. Por isso, durante a atividade física leve um pouco mais de alimentos do que você costuma comer em épocas de temperaturas normais, para assim garantir o suporte de energia durante a pedalada.

Por último, é sempre ficar de olho na bike, já que a mudança de temperatura e a dilatação térmica podem ocasionar mudanças, poucas mas ainda relevantes, na estrutura do equipamento, causando problemas como os freios.

Além disso, é importante avaliar as pressões dos pneus, já que uma pressão mais baixa ocasiona uma melhor absorção de impactos em terrenos mais “hostis”, ocasionando assim menos lesões nas pernas, braços e principalmente, nas costas.

 

E aí, gostou das nossas dicas para pedalar no frio? Agora que você já sabe o que fazer, não há motivos para procrastinar no inverno e ficar parado em casa. Aproveite e deixe sua opinião nos nossos comentários. Até a próxima.

Ajude-nos a espalhar nossas dicas, ajudando outros iniciantes que precisam destas informações. Compartilhe: www.bikeloko.com.br/dicas.

4 comentários sobre “Dicas para Pedalar no Frio

  1. Jean

    Muito boa as dicas. Minha região é bastante fria e úmida por causa das montanhas da mata atlântica. Assim vamos nos equipar corretamente.

  2. bikeloko Autor da Postagem

    Olá Jean, tudo bem? Que bom que gostou… Ficamos feliz em ajudar e melhorar o pedal de todos. Bora curtir!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *